segunda-feira, 14 de maio de 2012

Ricardo Gondim afirma ser a favor da união civil gay: Nem todas as relações homossexuais são promíscuas



‘Deus nos livre de um Brasil evangélico?’ Quem afirma é um pastor, o cearense Ricardo Gondim. Segundo ele, o movimento neopentecostal se expande com um projeto de poder e imposição de valores, mas em seu crescimento estão as raízes da própria decadência.
Os evangélicos, diz Gondim, absorvem cada vez mais elementos do perfil religioso típico dos brasileiros, embora tendam a recrudescer em questões como o aborto e os direitos homossexuais.
Aos 57 anos, pastor há 34, Gondim é líder da Igreja Betesda e mestre em teologia pela Universidade Metodista. E tornou-se um dos mais populares críticos do mainstream evangélico, o que o transformou em alvo. “Sou o herege da vez”, diz na entrevista a seguir.
Carta Capital: Os evangélicos tiveram papel importante nas últimas eleições. O Brasil está se tornando um país mais influenciável pelo discurso desse movimento?
RG: Sim, mesmo porque, é notório o crescimento no número de evangélicos. Mas é importante fazer uma ponderação qualitativa. Quanto mais cresce, mais o movimento evangélico também se deixa influenciar. O rigor doutrinário e os valores típicos dos pequenos grupos de dispersam, e os evangélicos ficam mais próximos do perfil religioso típico do brasileiro.
CC: Como o senhor define esse perfil?
RG: Extremamente eclético e ecumênico. Pela primeira vez, temos evangélicos que pertencem também a comunidades católicas ou espíritas. Já se fala em um “evangelicalismo popular”, nos modelos do catolicismo popular, e em evangélicos não praticantes, o que não existia até pouco tempo atrás. O movimento cresce, mas perde força. E por isso tem de eleger alguns temas que lhe assegurem uma identidade. Nos Estados Unidos, a igreja se apega a três assuntos: aborto, homossexualidade e a influência islâmica no mundo. No Brasil, não é diferente. Existe um conservadorismo extremo nessas áreas, mas um relaxamento em outras. Há aberrações éticas enormes.
O senhor escreveu um artigo intitulado “Deus nos Livre de um Brasil Evangélico”. Por que um pastor evangélico afirma isso?
Porque esse projeto impõe não só a espiritualidade, mas toda a cultura, estética e cosmovisão do mundo evangélico, o que não é de nenhum modo desejável. Seria a talebanização do Brasil. Precisamos da diversidade cultural e religiosa. O movimento evangélico se expande com a proposta de ser a maioria, para poder cada vez mais definir o rumo das eleições e, quem sabe, escolher o presidente da República. Isso fica muito claro no projeto da igreja Universal. O objetivo de ter o pastor no Congresso, nas instâncias de poder, pode facilitara expansão da igreja. E, nesse sentido, o movimento é maquiavélico. Se é para salvar o Brasil da perdição, os fins justificam os meios.
O movimento americano é a grande inspiração para os evangélicos no Brasil?
O movimento brasileiro é filho direto do fundamentalismo norte-americano. Os Estados Unidos exportam seuamerican way of life de várias maneiras, e a igreja evangélica é uma das principais. As lideranças daqui Ieem basicamente os autores norte-americanos e neles buscam toda a sua espiritualidade, teologia e normatização comportamental. A igreja americana é pragmática, gerencial, o que é muito próprio daquela cultura. Funciona como uma agência prestadora de serviços religiosos. de cura, libertação, prosperidade financeira. Em um país como o Brasil, onde quase todos nascem católicos, a igreja evangélica precisa ser extremamente ágil, pragmática e oferecer resultados para se impor. É uma lógica individualista e antiética. Um ensino muito comum nas igrejas é de que Deus abre portas de emprego para os fiéis.
Eu ensino minha comunidade a se desvincular dessa linguagem. Nós nos revoltamos quando ouvimos que algum político abriu uma porta para o apadrinhado. Por que seria diferente com Deus?
O senhor afirma que a igreja evangélica brasileira está em decadência, mas o movimento continua a crescer.
Uma igreja que, para se sustentar, precisa de campanhas cada vez mais mirabolantes, um discurso cada vez mais histriônico e promessas cada vez mais absurdas está em decadência. Se para ter a sua adesão eu preciso apelar a valores cada vez mais primitivos e sensoriais e produzir o medo do mundo mágico, transcendental, então a minha mensagem está fragilizada.
Pode-se dizer o mesmo do movimento norte-americano?
Muitos dizem que sim, apesar dos números. Há um entusiasmo crescente dos mesmos, mas uma rejeição cada vez maior dos que estão de fora. Hoje, nos Estados Unidos, uma pessoa que não tenha sido criada no meio e que tenha um mínimo de senso crítico nunca vai se aproximar dessa igreja, associada ao Bush, à intolerância em todos os sentidos, ao Tea Party, à guerra.
O senhor é a favor da união civil entre homossexuais?
Sou a favor. O Brasil é uni país laico. Minhas convicções de fé não podem influenciar, tampouco atropelar o direito de outros. Temos de respeitar as necessidades e aspirações que surgem a partir de outra realidade social. A comunidade gay aspira por relacionamentos juridicamente estáveis. A nação tem de considerar essa demanda. E a igreja deve entender que nem todas as relações homossexuais são promíscuas. Tenho minhas posições contra a promiscuidade, que considero ruim para as relações humanas, mas isso não tem uma relação estreita com a homossexualidade ou heterossexualidade.
O senhor enfrenta muita oposição de seus pares?
Muita! Fui eleito o herege da vez. Entre outras coisas, porque advogo a tese de que a teologia de um Deus títere, controlador da história, não cabe mais. Pode ter cabido na era medieval, mas não hoje. O Deus em que creio não controla, mas ama. É incompatível a existência de um Deus controlador com a liberdade humana. Se Deus é bom e onipotente, e coisas ruins acontecem., então há aluo errado com esse pressuposto. Minha resposta é que Deus não está no controle. A favela, o córrego poluído, a tragédia, a guerra, não têm nada a ver com Deus. Concordo muito com Simone Weil, uma judia convertida ao catolicismo durante a Segunda Guerra Mundial, quando diz que o mundo só é possível pela ausência de Deus. Vivemos como se Deus não existisse, porque só assim nos tornamos cidadãos responsáveis, nos humanizamos, lutamos pela vida, pelo bem. A visão de Deus como um pai todo-poderoso, que vai me proteger, poupar, socorrer e abrir portas é infantilizadora da vida.
Mas os movimentos cristãos foram sempre na direção oposta.
Não necessariamente. Para alguns autores, a decadência do protestantismo na Europa não é, verdadeiramente, uma decadência, mas o cumprimento de seus objetivos: igrejas vazias e cidadãos cada vez mais cidadãos, mais preocupados com a questão dos direitos humanos, do bom trato da vida e do meio ambiente.
Fonte: New Gospel

terça-feira, 8 de maio de 2012

Ministério Público pretende proibir grandes eventos evangélicos nas ruas para evitar congestionamentos e barulho



A realização de grandes eventos evangélicos em vias públicas na cidade de São Paulo se tornou alvo de investigação do Ministério Público Estadual.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
O MP abriu inquérito para apurar a investigação de eventos religiosos em vias públicas, com a intenção de limitar grandes encontros religiosos, de acordo com informações do jornal “O Estado de S. Paulo”.
Geralmente, grandes eventos geram interrupções no tráfego, congestionamentos e excesso de ruído, segundo o MP.
Em entrevista concedida ao site Notícias Cristãs, o pastor e doutor Rubens Teixeira declarou que “se o Ministério Público Estadual de São Paulo quiser limitar todos os eventos em vias públicas (religiosos, sindicais, culturais, esportivos, etc), pode ser algo razoável. Contudo, querer impedir apenas eventos evangélicos é uma clara perseguição religiosa contra os brasileiros evangélicos”.
Teixeira afirmou ainda que eventos que constituem direitos secundários estão sendo privilegiados, em relação aos eventos que simbolizam direitos fundamentais: “Boa parte dos grandes eventos que impactam o trânsito em vias públicas são com fins comerciais privados, como corridas automobilísticas e eventos esportivos de um modo geral, além dos musicais, e outros travestidos de razões culturais, não embasados em direitos fundamentais”.

Fonte: Gospel +

Em reportagem do CQC Lanna Houder, Marisa Lobo e Jean Wyllys falam sobre tratamento a homossexuais



O programa “CQC”, da Rede Bandeirantes desta segunda-feira (8) abordou o projeto do deputado, líder da Bancada Evangélica na Câmara, João Campos (PSDB-GO). O projeto encaminhado pelo parlamentar quer legalizar o tratamento a homossexuais.

A questão passou a ser discutida após a psicóloga Marisa Lobo, ter recebido intimação do Conselho Regional de Psicologia do Paraná para que retirasse de suas redes sociais e sites pessoais todas as frases religiosas, pois de acordo com o Conselho, não pode haver vinculo entre a religião e a profissão. Além disso, ativistas gays acusam a psicóloga de oferecer cura ao homossexualismo.

Marisa que participou do programa CQC disse durante a entrevista que não mudará sua orientação de fé. O entrevistador também perguntou à psicóloga se o mundo ideal para ela é um mundo sem homossexuais. Marisa respondeu que isso é utópico e que o mundo ideal para ela é aquele sem ladrões, estupradores, assassinos, referindo-se aos mandamentos expostos na Bíblia Sagrada.

A ex-conferencista Lanna Holder também concedeu entrevista ao programa e afirmou ter feito de tudo para se livrar do homossexualismo, mas mesmo quando era casada tinha que relutar contra seus desejos. Hoje pastora de uma igreja inclusiva, a primeira igreja homossexual do Brasil, chamada Cidade Refúgio, Lanna vive com Rosania Rocha. Ao final da entrevista com um tom de sarcasmo ela questiona: “Tem coisa melhor que mulher?”.

Além de Marisa e Lanna Holder o deputado homossexual, Jean Wyllys (Psol-RJ) também participou do programa e mostrou-se indignado com o projeto da Bancada Evangélica, Jean afirmou que as clinicas de terapêuticas usam métodos violentos contra os homossexuais, que “implicam em violência física”, disse o parlamentar.

Pastor Robson, ex-homossexual, também foi entrevistado durante a reportagem e afirmou ser possível um homossexual tornar-se heterossexual pois aconteceu com ele, que hoje tem uma família com mulher e filhos.

No final da matéria o apresentador Marcelo Tas criticou a postura da psicóloga Marisa Lobo afirmando ser um absurdo até uma psicóloga ser a favor da cura de homossexuais.

Fonte Gospel Prime

Após PC Siqueira incentivar pichação de igrejas, pastor Marco Feliciano pedirá retirada do programa no MP



Durante o episódio do programa “PC na TV”, exibido no dia 3 de maio na MTV Brasil, o apresentador PC Siqueira incentivou as pessoas a picharem as igrejas.

O apresentador comentava a notícia de que uma igreja no Paraná acordou pichada com as inscrições “Deus é gay” e “Pequenas igrejas, grandes negócios”. PC Siqueira disse aos seus telespectadores que se eles pichassem uma igreja poderiam enviar fotos para o seu programa para que ele as retransmitissem.
“Toda vez que uma igreja for pichada com palavras de controvérsia, o PC na TV vai dar a notícia”, disse ele sugerindo um novo quadro para seu programa só para mostrar as pichações que foram feitas nas igrejas.

No primeiro bloco do programa também foi mostrado a participação de pessoas comentando sobre o que é Deus. Entre diversas opiniões muitos disseram que Ele é o Universo, o ar, uma invenção e até mesmo um jovem disse que “Deus é o melhor amigo imaginário dos adultos”.

Marco Feliciano irá entrar com representação no MP

O pastor e deputado federal, Marco Feliciano, se mostrou indignado com o programa PC na TV apresentado por PC Siqueira na MTV. Feliciano afirmou que vai entrar com uma representação junto ao Ministério Público para que o programa seja retirado do ar e também está pedindo uma retratação da emissora. Ele também prometeu mobilizar as bancadas evangélica e católica no Congresso para que também se posicionem contra o programa.

“Como venho alertando, existe um movimento que milita contra as bases da nossa sociedade, e para tanto, atacam sem dó nem piedade o cristianismo, se nos calarmos o que virá a seguir?”, escreveu o deputado em seu site.

Diante da ameaça do pastor, PC Siqueira usou seu Twitter para dizer que vai se retratar no próximo programa e que a edição da semana passada já foi retirada do ar. “Ah, o @pcnatv da semana passada foi retirado do ar sob ameaças de um deputado cristão que assumiu que estou incentivando pichação de igrejas”, escreveu o apresentador.

Em outras postagens escritas nesta segunda-feira (7) o jovem também assumiu que não curte pichação e que estava sendo irônico ao pedir que seus telespectadores enviassem fotos com pichações feitas em igrejas.

“No próximo programa pedirei desculpas pela piada. Eu nem curto pichação na verdade. Pra variar, cristãos incapazes de entender sarcasmo”, alfinetou PC Siqueira.

Fonte: Gospel Prime

quinta-feira, 3 de maio de 2012

‘Homossexualidade: surge uma nova religião?’





Marcos Melo é jornalista e chefe de redação do Portal Verdade Gospel.

Homossexualidade: surge uma nova ‘religião’?
Virou moda afirmar que não compete à religião questões como aborto e a tal da homossexualidade. Este argumento que invalida a posição conservadora e tradicional das igrejas é facilmente encontrado nos discursos eruditos dos ministros do nosso “Moderníssimo Supremo Tribunal Federal”.
É bem verdade que ouço muito dizer por aí que religião e fé só fazem algum sentido para quem as tem. Logo, as regras deste jogo sujo supõem que o debate sobre homossexualidade deve ser unilateral e apenas considerar as opressões sofridas por determinadas minorias sociais, ignorando, assim, a fé da maioria da população brasileira (cristã), custe o que custar.
A fragilidade desse argumento e dessa visão tão antidemocrática me assusta, pois observo que este discurso “inclusivo” é sempre pautado pela multiplicidade (a tão explorada pluralidade), levando em consideração todos os grupos sociais, diversos comportamentos, até os mais inusitados e promíscuos, e dentro dessa falsa ideologia de agradar a todos, se lembram de esquecer da maior parte desta nação: evangélicos e católicos.
Vale lembrar que toda manifestação contrária a uma doutrina religiosa já é um novo conceito religioso em potencial, uma nova crença. Quando homossexuais discordam do conceito basilar e tradicional de família, sugerem automaticamente a existência de um novo paradigma religioso. Simples!
Na política, por exemplo, quando alguém não concorda e critica uma posição adotada pelo governo, irremediavelmente está sugerindo que haja uma maneira alternativa daquilo ser feito. É oposição, mesmo que não seja uma ação articulada ou partidária, mas ela se levanta e confronta com ideias e convicções aplicadas.
Martinho Lutero era católico e se manifestou contra a religião romana. Sua ação em denunciar as incoerências analisadas caracterizou um protesto, gerando uma nova crença: o protestantismo. Não anulou o Catolicismo, mas despertou a consciência para falhas evidenciadas por ele, dando origem a uma nova forma daquela fé ser professada.
Não há, portanto, ausência de credo. Tudo se mistura no campo das ideias: convicção filosófica, religiosa, comportamental, emocional… Não se pode calar uma opinião sob pretexto de sê-la de origem religiosa. Qual a raiz do posicionamento e comportamento de quem quer que seja? Não se pode considerar a opinião de um ateu? Deve-se considerar o ponto de vista de um maçom? Mas afinal o que fazem os maçons em suas congregações secretas? A diferença é que evangélicos e católicos não dissimulam a fonte de onde provém suas explicações – nem devem!
Há uma incidência relevante de casos de homossexualidade na Umbanda, Candomblé e Espiritismo. Não é novidade para ninguém! Poderíamos calar a militância gay por trazer consigo este histórico religioso?
Toda opinião é uma oposição ao pensamento contrário, seja religioso, filosófico, étnico… Fica claro que não acreditar em nada já é acreditar que nada existe.
Se não há idoneidade na opinião de um cristão, o mesmo juízo deve ser aplicado aos que não comungam com suas convicções, pois quem garante que toda esta oposição não seja alimentada por alguma crença religiosa disfarçada e ocultada no âmago do caráter?

Marcos Melo

Fonte: Verdade Gospel

Danilo Gentili era da Igreja Batista e já sonhou em ser pastor


Em entrevista ao programa Frente a Frente do Update, apresentado por Sabrina Parlatore, o humorista Danilo Gentili contou que foi membro na Igreja Batista e que já teve vontade de ser pastor.
Danilo ganhou fama nacional após participar do programa CQC e atualmente comanda o Agora é Tarde, na Rede Bandeirantes.
“Eu admirava muito a forma como o pastor trabalhava, cuidava das famílias e eu me identificava com aquilo de alguma forma” disse o humorista. Ele chegou a estudar teologia, no entanto, não frequenta mais os cultos. Danilo deu a entender que não concordava com muitas coisas que via na igreja.
Além do programa de TV Danilo Gentili é dono da casa de shows Comedians, aberta em sociedade com mais dois amigos, entre eles o ex-colega de trabalho Rafinha Bastos.

Fonte: MSN

Espetacular: juiz encerra ação contra Pr. Silas Malafaia por homofobia

De maneira sensacional e espetacular, o juiz federal da 24ª Vara Cível, Victorio Giuzio Neto, dando um show de conhecimento de leis e de maneira justa e inequívoca, extinguiu o processo em que o pastor Silas Malafaia era acusado de homofobia, naquela “armação” dos ativistas gays para incriminá-lo. Verdade Gospel disponibiliza alguns trechos da sentença para a sua análise:
“… não se poder tolher o direito à crítica na medida que esta compõe exatamente o conteúdo da liberdade de manifestação e expressão.”
“…Daí considerarmos que, sob o aspecto ‘policial’ ou de ‘censura’ a questão envolve problemas práticos e jurídicos mas, neste tema, o constituinte brasileiro teve o inegável desejo de sepultar definitivamente a censura conforme se vê na redação das seguintes disposições constitucionais:
Art. 5º – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
…”
II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude da lei;
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.
…”
Art. 220 – A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§1º………… (omíssis)
§2º – É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”. (grifo nosso)
E não comportam exceção: a censura foi banida.
“… Através da pretensão dos autos, na medida em que requer a proibição de comentários contra homossexuais em veiculação de programa, sem dúvida que se busca dar um primeiro passo a um retorno à censura, de triste memória, existente até a promulgação da Constituição de 1988, sob sofismático entendimento de ter sido relegado ao Judiciário o papel antes atribuído à Polícia Federal, de riscar palavras ou de impedir comentários e programas televisivos sobre determinado assunto.”
“… Diante disto, não pode ser considerado como homofóbico na extensão que se lhe pretende atribuir esta ação, no campo dos discursos de ódio e de incentivo à violência, pois possível extrair do contexto uma condenação dirigida mais à organização do evento – pelo maltrato do emprego de imagens de santos da igreja católica – do que aos homossexuais.”
“… De fato não se pode valorar as expressões dissociadas de seu contexto. E no contexto apresentado pode ser observado que as expressões ‘entrar de pau’ e ‘baixar o porrete’ se referem claramente à necessidade de providências acerca da Parada Gay, por entender o pastor apresentador do programa, constituir uma ofensa à Igreja Católica reclamando providências daquela.”
“… É cediço que se a população em geral utiliza tais expressões, principalmente, na esfera trabalhista, para se referirem ao próprio ajuizamento de reclamação trabalhista ao empregarem a expressão que ‘vão meter a empresa no pau’. Outros empregam a expressão ‘cair de pau’ como mera condenação social; ‘entrar de pau’ ou ‘meter o pau’, por outro lado, estaria relacionado a falar mal de alguém ou mesmo a contrariar argumentos ou posicionamentos filosóficos.
Enfim, as expressões empregadas pelo pastor réu não se destinaram a incentivar comportamentos como pode indicar a literalidade das palavras no sentido de violência ou de ódio implicando na infração penal, como pretende a interpretação do autor desta ação.”
“… Neste caso, considerar presente dano apto a ensejar a concessão de liminar contra o pastor apresentador do programa, da emissora e da União não deixaria de coexistir uma odiosa forma de censura, cumprindo lembrar sob a espécie que a própria Lei de Imprensa foi considerada inconstitucional pelo STF: Art.30.”
“… Ante o exposto, por reconhecer a impossibilidade jurídica do pedido, INDEFIRO A INICIAL E JULGO EXTINTO o processo sem resolução do mérito, com fulcro no artigo 267, inciso VI, do Código de Processo Civil.”
São mais de vinte páginas o despacho do juiz encerrando a ação. Colocamos aqui apenas alguns dos comentários brilhantes deste documento.

O Pastor Silas Malafia Comenta:

A Deus seja a glória! Obrigado por milhares de irmãos que intercederam por mim e minha gratidão a Deus em fazer com que este caso fosse parar nas mãos de um juiz justo.
Foi uma “lambada” nos ativistas gays que pensam que estão acima da lei e acima de todos, mas que agora vão ter que responder na justiça por me chamarem de homofóbico. Se eu, como cidadão, não tomar as providências que tenho direito, eles vão se achar no direito de ficarem me acusando e me denunciando como homofóbico. A partir de agora vão pensar duas vezes antes de tentar me denegrir.
Como tenho dito, não os homossexuais, mas sim os ativistas gays, são o grupo social mais intolerante da pós-modernidade.
Peço a vocês para acessarem o comentário de Reinaldo Azevedo, colunista do site da “Veja”, sobre a sentença do juiz. Mais uma vez, simplesmente, sensacional!

Fonte: Verdade Gospel

sexta-feira, 27 de abril de 2012

As igrejas "gays" continuam a crescer

Estava fazendo minhas leituras diárias e encontrei a triste notícia que as igrejas "gays"(conforme abaixo) continuam a crescer em todo o país, as chamadas igrejas se auto denominam como: "Sem preconceito", ouso afirmar que estes não têm conceito nenhum! Aliás a única bandeira que carregam é a do pecado, da banalização da familia e da sociedade. Que bíblia usam? já que essa como manual de vida condena tal prática? Se você ficou tão indiginado quanto eu, deixe seu comentário aqui, vamos ajudar os "robôs" do google encontrarem a real possição do sociedade quanto a isso!

Desafiando preconceito, cresce número de igrejas inclusivas no Brasil



Encaradas pelas minorias como um refúgio para a livre prática da fé, as igrejas "inclusivas" - voltadas predominantemente para o público gay - vêm crescendo a um ritmo acelerado no Brasil, à revelia da oposição de alas religiosas mais conservadoras. Estimativas feitas por especialistas a pedido da BBC Brasil indicam que já existem pelo menos dez diferentes congregações de igrejas "gay-friendly" no Brasil, com mais de 40 missões e delegações espalhadas pelo país.
Concentradas, principalmente, no eixo Rio de Janeiro-São Paulo, elas somam em torno de 10 mil fiéis, ou 0,005% da população brasileira. A maioria dos membros (70%) é composta por homens, incluindo solteiros e casais, de diferentes níveis sociais.
O número ainda é baixo se comparado à quantidade de católicos e evangélicos, as duas principais religiões do país, que, em 2009, respondiam por 68,43% e 20,23% da população brasileira, respectivamente, segundo um estudo publicado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.
O crescimento das igrejas inclusivas ganhou força com o surgimento de políticas de combate à homofobia, ao passo que o preconceito também diminuiu, alegam especialistas. Hoje, segundo o IBGE, há 60 mil casais homossexuais no Brasil. Para grupos militantes, o número de gays é estimado entre 6 a 10 milhões de pessoas.
Segundo a pesquisadora Fátima Weiss, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que mapeia o setor desde 2008, havia apenas uma única igreja inclusiva com sede fixa no Brasil dez anos atrás. "Com um discurso que prega a tolerância, essas igrejas permitem a manifestação da fé na tradição cristã independente da orientação sexual", disse Weiss à BBC Brasil.
O número de frequentadores dessas igrejas - que são abertas a fiéis de qualquer orientação sexual - acompanhou também a emancipação das congregações. Se, há dez anos, os fiéis totalizavam menos de 500 pessoas; hoje, já são quase 10 mil - número que, segundo os fundadores dessas igrejas, deve dobrar nos próximos cinco anos.

Resistência

As igrejas inclusivas ainda enfrentam forte resistência das comunidades católicas e evangélicas. Embora a maior parte delas siga a tradição cristã - pregando, inclusive, o celibato antes do casamento e a monogamia após o matrimônio - ainda não são reconhecidas oficialmente por nenhum desses dois grupos.
Não raro, em igrejas tradicionais, os homossexuais são obrigados a esconder sua opção sexual. Descobertos, acabam sendo expulsos - ou, eventualmente, submetidos a tratamentos de "conversão" para se tornarem heterossexuais.
"Segundo a Bíblia, homossexualidade é pecado. Na igreja evangélica, gay só entra caso queira se converter e, para isso, tem de se tornar heterossexual. É uma regra de Deus", disse à BBC Brasil Silas Malafaia, fundador de uma das principais igrejas evangélicas do Brasil, a Assembleia de Deus - Vitória em Cristo. "Tenho vários casos de ex-gays na minha igreja. Trata-se de um desvio de comportamento; afinal, gays têm a mesma ordem cromossômica que nós, heterossexuais. Depende deles, portanto, mudar sua opção sexual para serem aceitos na nossa comunidade", acrescenta.
A pernambucana Lanna Holder, de 37 anos, acreditava poder "curar" a atração que sentia por mulheres que, segundo ela, vinha "desde a infância". Usuária de drogas e alcoólatra, Lanna converteu-se a uma igreja evangélica aos 21 anos, passando a fazer pregações no interior do Brasil. "Enquanto todas as meninas brincavam de boneca, eu soltava pipa e jogava futebol", lembra ela à BBC Brasil.
Lanna tornou-se uma das principais pregadoras da igreja Assembleia de Deus, a mais importante do ramo pentecostal no Brasil. Casou-se aos 24 anos e, dois anos depois, teve um filho. Mas durante uma viagem aos Estados Unidos em 2002, conheceu outra pregadora, Rosania Rocha, brasileira que cantava no coral de uma filial da igreja em Boston. Um ano depois, elas tiveram um caso amoroso às escondidas e acabaram expulsas da comunidade.
De volta ao Brasil em 2007, Lanna teve a ideia de criar uma igreja voltada predominantemente para homossexuais que, como ela, não ganharam acolhida em outra vertente religiosa. Ela montou a "Comunidade Cidade Refúgio", no centro de São Paulo.
De reuniões pequenas, com apenas 15 pessoas, a igreja possui hoje 300 fiéis e planeja abrir uma filial em Londrina, no Paraná, até o fim deste ano.

Origem

O embrião das igrejas inclusivas começou a surgir no Brasil na década de 90, em pequenas reuniões feitas normalmente sob sigilo. Nos Estados Unidos, entretanto, elas já existem há pelo menos quatro décadas, praticando o que chamam de "teologia inclusiva", com um discurso aberto à diversidade.
Um das pioneiras foi a Igreja da Comunidade Metropolitana (ou Metropolitan Church), a primeira a ter sede própria no Brasil, em 2002.

Fonte: UOL

terça-feira, 24 de abril de 2012

Melhor seria se não tivessemos crescido!


Da simplicidade dos gestos à sinceridade em tudo o que faz, as crianças têm muito a nos ensinar. Criança não tem prazer nas disputas cotidianas, nas trocas de favores, nas arquitetações das maldades, na politicagem diária; criança da aula de humildade, ensina simplicidade e exorta à sinceridade.
Não foi a toa que quando tentaram levar algumas crianças até Jesus afim de que Ele orasse por elas, diante de uma negativa de seus discípulos Jesus responde: "Deixai vir os meninos a mim, e não os impessais por que dos tais é o reino dos céus" Mateus 19:14 enquanto adultos o seguiam atrás de pães e peixes multiplicados, curas, sinais e maravilhas, existiam crianças que almejavam chegar perto do mestre... Tocar nEle e se sentirem tocados, e a esses nada do que queriam lhes foi negado, quanto aos adultos Jesus advertiu: Esse povo me segue pelo o que eu posso dar e não pelo o que sou, me glorificam com os seus lábios, mas o seu coração está distante de mim. Somos tão tentados a ser adultos na fé que esquecemos as melhores características de quando éramos pequenos, nos enchemos de conceitos, teorias e experiências... Tantas coisas que nos distanciamos paulatina e constantemente do nosso Pai, não ansiamos mais por sua presença, mas por projetos e objetivos ainda não concluídos que Ele com certeza pode nos ajudar a realizar, enquanto isso, algumas crianças nos ensinam que melhor que tudo isso é a presença do pai, e esse pai nem precisa ser rico, poderoso e influente, a criança o ama por que é o seu pai, seu colo é o lugar mais seguro a se estar, não por ser macio ou confortável, mas por que é o colo do seu pai, a presença do pai é ansiada, esperada.
Fico triste ao perceber que minha oração se tornou tendenciosa, basta pensar em orar, que todos os meus problemas me vêem a mente, e nada mais do que problemas eu consigo expressar... Fico imaginando a figura de um pai que passou o dia inteiro distante do filho e quando tem a oportunidade de revê-lo espera que ele, seu filho, saia correndo pule no seu colo e diga: Pai que saudade do senhor, mas tudo isso se frusta ao perceber que o seu pequenino amado esta esperando algo de valor passageiro dele; o pai sabe o que o filho precisa, mas espera que ele vá ao seu encontro pelo fato de ser ele o seu pai e não pelo o que ele pode dar. Não é necessário que o filho faça uma festa com milhares de amigos, ou que faça reuniões temáticas para listar ao pai suas necessidades, tampouco que faça barganha prometendo o que não conseguirá cumprir ao pai, nada disso é necessário simplesmente por que ele é filho e tem acesso livre ao colo do pai.
Umas das preocupações de Paulo com a igreja de corinto era justamente essa: "Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo." 2 Coríntios 11:3 Paulo temia que a igreja após crescer, perdesse a simplicidade de quando era apenas uma criança.
É comum ver as pessoas fazendo propósitos por vitória, igrejas buscando métodos para atrair pessoas para os cultos, grandes produções em festividades, grande energia gasta em super-encontros... Muita produção, muita gente seguindo Jesus esperando algo dEle e em contra partida Ele procurando as crianças sinceras, humildes e simples para as colocar no colo, dialogar com elas e elas com Ele. O que tem mais valor? Melhor seria se não tivéssemos crescido!

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Para não adorar em vão


Estou cansado de ouvir que a salvação não se dá por obras! Me parece ser esse um argumento que esconde nossa falta de compaixão, empatia e amor; penso que é uma tentativa de justificar nossa inativa fé... Se é que existe fé. Dizemos em alto e bom tom que somos todos adoradores, mas em que consiste nossa adoração? Em palavras bonitas? Em músicas bem tocadas? Em belas e impactantes palavras de auto-ajuda dos pregadores? Em horários rigidamente cumpridos? Afinal, em que consiste nossa adoração?
Enchemos os olhos de lágrimas ao expressar a máxima: "Missões está no coração de Deus!" e logo nos prontificamos a entregar planfetos, papéis, e dizer com convicção ao ouvinte: Jesus te ama! E tão logo, virar a costas e partir... Talves, quem sabe, o ouvinte dessa linda expressão responde-se: Estou com fome! Ou então: Estou com frio! Ou quem sabe: Me ajude a me libertar das drogas, por favor! Mas nós sequer ouvimos isso, não há tempo para isso, temos uma meta a cumprir: entregar 1000 planfetos. Vergonhoso! uma meta mais digna seria: ganhe hoje uma alma, uma única e cuide dela! Cuidar? como?
a igreja não tem estrutura para isso, não há centros qualificados de recuperação de drogados, não existe uma assistência social equipada para atender essas almas, não existe sequer boa vontade para isso... Nos dias em que temos que abastecer a assistência social, se faz visível a grande quantidade de açúcar, creme para escovar os dentes, sabonete e macarrão. Mas o necessitado precisa de arroz e feijão! ele precisa comer, matar a fome... é uma pena, não temos estrutura. O que faremos então? Ora, a saída para todos os crentes: Oremos, para que o Senhor envie donativos e grupos capitados para atendê-los, porque nós infelizmente não podemos... Mesquinhes!
Foi Jesus que ensinou em um de seus discursos: "Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;
Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.
Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?
Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim."
Mateus 25:41-45

É triste afirmar, mas nossos cultos tem pouquíssimo efeito ou nenhum, devido nossa adoração que de tanto se engessar tornou-se mecanizada, cheia de liturgia e vazia de Deus. Tiago afirmou: "Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo?
E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano,
E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?
Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma."
Tiago 2:14-17

Sonho com igrejas capazes, prontas para ajudar na regeneração de pessoas, afinal essa é a "matéria-prima" da igreja, pessoas. Sonho com adoradores sinceros, que estejam enojados das quatro paredes, que estejam fartos dos grupinhos, que estejam cansados da disputa idiotizante entre departamentos, adoradores não de festas, congressos, conferências, retiros ou grandes produções, mas adoradores das prisões, dos hospitais, das clinicas de reabilitação, dos viadutos, das vielas... das favelas, adoradores que façam valer o significado de igreja... "Chamados para fora", verdadeiros adoradores!
Ora, a salvação se dá por intermédio do sacrifício de Jesus, mas as OBRAS demonstram se temos ou não fé. Como Paulo disse: (Parafraseando) Se alguém diz que ama a Deus e não ama seu irmão é mentiroso, como podemos dizer que amamos a Deus que não vemos, se não amamos ao próximo a quem vemos?
Não adianta nos esforçarmos para termos boas apresentações nos cultos, elas para pouco servem, nos esforcemos de verdade para vivermos na íntegra o que pregamos! Só assim nossa adoração não será em vão!

quarta-feira, 18 de abril de 2012

De volta ao jardim!



E, tendo dito isto, voltou-se para trás, e viu Jesus em pé, mas não sabia que era Jesus.
Disse-lhe Jesus: Mulher, por que choras? Quem buscas? Ela, crendo que era o jardineiro, disse-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei.
João 20:14-15


Uma das profissões mais antigas que existe é a de jardineiro, a prova para isso está em Gênesis 2:8 que diz: "E plantou Deus um jardim no Éden..." , mas por que Jesus após ressurgir aparece a uma mulher como um jardineiro? quando retrocedemos na historia vemos que após Deus plantar um jardim Ele coloca a sua mais bela criação para morar lá, o jardim foi dado à criação que Deus teve mais zelo em fazer, o homem. Com isso deu-se inicio o melhor culto de todos os tempos, pois diz a bíblia, Deus descia todas as tardes a fim de se relacionar com o homem, todos os dias tinha culto no jardim, até que o homem peca... desobedece a Deus e por esse motivo é expulso do jardim, logo para o homem não existia mais culto, a partir de então se relacionar com Deus era algo impossível, veja que Paulo escreve em Romanos 3:23 "Por que TODOS pecaram e destituídos (separados) estão da glória de Deus." O homem sequer poderia tentar voltar ao culto, pois na porta do jardim Deus coloca dois querubins de guarda e uma espada flamejante que rodeava todo o local. E diz a bíblia em Rm 5:12 (parafraseando) "Por um só homem entrou o pecado no mundo, mas também por um só a entrou a graça!" após o cumprimento da morte expiatória de Jesus, algumas mulheres com o interesse de lavar o corpo do mestre vão até o JARDIM em que ele estava enterrado, e não encontram o corpo de Jesus, apenas dois anjos, um assentado ao pés de onde estava o corpo e outro à cabeceira, Maria chorando não percebe a aproximação de Jesus e quando o vê pensa que era um jardineiro, ora ninguém tem cara de jardineiro! Tampouco de qualquer oficio ou profissão, nós só conseguimos distinguir as profissões devido seus uniformes, entenda que Jesus após seu ressurgimento aparece à Maria vestido de Jardineiro!
 E isso não era em vão, pois com sua morte Jesus volta ao JARDIM, ao culto, e aos anjos que estavam na porta guardando a entrada, Ele diz: podem assentar-se, eu sou o JARDINEIRO e estou restituindo o homem ao culto! Graças a Deus, através da morte de Jesus fomos restituídos ao culto. Bendita seja a Cruz de Cristo!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Uma homenagem ao Pr. Celso Pereira - Por Marcelo Martins



Do enlace matrimonial do senhor Manoel Pereira da Silva e senhora Olinda Pereira da Silva, nasceu no interior do estado de São Paulo, um cidadão cuja dignidade merece destaque, e, o dia determinado foi 15 de abril de 1952.
Neste dia, 15 de abril de 1952, o recém-munícipe de Cafelândia, recebe o nome de Celso Pereira da Silva, e, é justamente sobre este personagem vitorioso que iremos discorrer a seguir:
De família humilde, não teve facilidades, passou sua infância e juventude ao lado dos pais, pois a única fonte de renda familiar era proveniente da agricultura, contudo, sob a responsabilidade dos seus progenitores entendeu que um verdadeiro homem jamais deveria esmorecer, pois independente da condição social desfavorável, teve como meta, superar com dignidade e caráter cada etapa difícil que as questões sociais daquela ocasião exigiam, e o legado de superação deixado pelo seu pai Manoel Pereira da Silva foi seguido à risca!
Nos anos 70, com o Brasil em franco crescimento, decidiu que sua permanência em Cafelândia chegaria ao fim, e, aos 20 anos, além da mudança domiciliar para São Bernardo do Campo/SP, resplandeceu sobre a vida de Celso Pereira da Silva a verdadeira fé cristã, pois de católico praticante, passou a celebrar adoração única e exclusiva ao Senhor Jesus Cristo e com grande regozijo foi batizado em 15 de maio de 1972.
De fé renovada e com domicilio novo, foi superando a falta de recursos, aliás, nesta ocasião, as refeições de Celso Pereira da Silva estava resumida em um pão francês, para entrar no dormitório onde o mesmo residia era preciso se curvar para se banhar, usava um balde, era necessário esperar o anoitecer e ou a saída dos proprietários, pois a agua usada era retirada de um tanque para lavagem de roupas e não havia privacidade...
Após o batismo, ocorrido em 15 de maio de 1972 começou a surgir os frutos, além de ser o vice-presidente de jovens da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Vila Planalto, ingressou na carreira ministerial de obreiros, pois em reunião datada em 29 de março de 1976 foi nomeado Cooperador.
Em 26 de dezembro de 1977 foi nomeado primeiro tesoureiro. No dia 24 de setembro de 1980 foi consagrado ao diaconato.
Após três anos, em especifico o dia 13 de janeiro de 1983, foi consagrado ao presbitério.
No dia 28 de julho de 1986, Celso Pereira da Silva foi nomeado e passou a ser o segundo dirigente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Vila Planalto.
Em 07 de fevereiro de 1995, em reunião solene iniciada e presidida pelo pastor Francisco Rodrigues Filho, vice-presidente das Assembleias de Deus de São Bernardo do Campo, foi empossado como dirigente.
Em 04 de maio de 1998, mais um degrau superado na hierarquia ministerial, de presbítero foi consagrado a Evangelista, e, em 22 de abril de 2006, conquistou o ápice ministerial recebendo por parte de Jesus Cristo e das autoridades eclesiásticas a função pastoral, ordenação realizada
na cidade de Mogi das Cruzes pela Convenção Nacional das Assembleias de Deus em Madureira/RJ.
Atualmente, como homem secular possui independência financeira, casou-se com irmã Vilma Alves da Silva no dia 22 de janeiro de 1977, sendo os frutos deste ardente amor, o nascimento de três filhos, sendo o primogênito Luciano Alves Silva, depois Lucilene Alves Silva e por último Lucio Alves Silva. Possui vários diplomas profissionalizantes, aposentou-se por tempo de serviço, contudo, continua trabalhando como construtor de imóveis.
Em sua vida cristã, pastor Celso Pereira da Silva tem um ministério consagrado, sendo dirigente de uma das grandes congregações do campo, leciona teologia na FATEBENE, é conhecido pelas diversas igrejas evangélicas como grande avivalista, conservador, apologista das doutrinas bíblicas, defensor dos marcos primitivos, pensador, orador, e claro, dedica-se com sinceridade no labor do evangelho de Cristo e na integridade e pureza da santa palavra de Deus.
Que a vida secular e cristã deste desbravador, seja um referencial para todos nós!


Os membros, congregados, simpatizantes, autoridades governamentais e eclesiásticas, parabeniza de forma emocionante a trajetória vitoriosa de 60 anos vividos do pastor Celso Pereira da Silva destacando os momentos incansáveis de quarenta anos de fidelidade como membro e dirigente desta respeitosa congregação.
Neste momento tão feliz, gostaríamos de reiterar que a vida é a infância de nossa imortalidade; a vida é um milhão de novos começos movidos pelo desafio sempre novo de viver e fazer todo sonho brilhar; e como conselho para os momentos difíceis, lhe informamos que a vida é mais simples do que a gente pensa; basta aceitar o impossível, dispensar o indispensável e suportar o intolerável sabendo que o caminho e a corrida para a excelência não tem linha de chegada!
Ao nosso pastor, feliz aniversario! Esta comunidade jamais lhe esquecerá, e, este legado de superação bem característica em sua vida é a marca registrada desta conceituada congregação!

Parabéns querido pastor!!


Escrito por: Marcelo Martins.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Anencefalia: placar de 5 contra 1 sim pela vida, STF retoma julgamento


Com placar de 5 votos a favor da interrupção da gravidez de anencéfalos (malformação neural) e um voto contra, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) darão continuidade hoje, dia 12, a partir das 14h, ao julgamento sobre o tema. Depois do voto de seis ministros, a sessão foi suspensa por volta das 19h de ontem, dia 11.
O único ministro que votou, de modo breve, contra a liberação do aborto foi Ricardo Lewandowski. Em sua argumentação ele afirmou que o Supremo não pode tomar uma decisão que caberia ao Congresso. ”Não é dado aos integrantes do Poder Judiciário promover inovações no ordenamento normativo como se parlamentares eleitos fossem”, declarou.
Ainda faltam votar os ministros Carlos Ayres Britto, Gilmar Mendes, Celso de Melo e Cezar Peluso. Antonio Dias Toffoli disse que está impedido de votar porque, no passado, quando era advogado-geral da União, manifestou-se favorável à interrupção da gravidez no caso de anencéfalos.

Divergência:


O ministro Ricardo Lewandowski, que abriu a divergência após cinco votos favoráveis à liberação do aborto, afirmou que o Supremo não pode interpretar a lei com a intenção de “inserir conteúdos”, sob pena de “usurpar” o poder do Legislativo, que atua na representação direta do povo.
“Uma decisão judicial isentando de sanção o aborto de fetos anencéfalos, ao arrepio da legislação existente, além de discutível do ponto de vista científico, abriria as portas para a interrupção de gestações de inúmeros embriões que sofrem ou viriam sofrer outras doenças genéticas ou adquiridas que de algum modo levariam ao encurtamento de sua vida intra ou extra-uterina”, disse Lewandowski.

Resumo das discussões:


Relator da ação movida pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde (CNTS), o ministro Marco Aurélio Mello foi o primeiro a votar. Em mais de duas horas, ele argumentou que deve ser garantido o direito da mulher de escolher se quer interromper a gestação de um feto com anencefalia.
“Estão em jogo a privacidade, a autonomia e a dignidade humana dessas mulheres. Hão de ser respeitadas tanto as que optem por prosseguir a gravidez quanto as que prefiram interromper a gravidez para pôr fim ou minimizar um estado de sofrimento. Não se pode exigir da mulher aquilo que o Estado não vai fornecer por meio de manobras médicas”, disse. O relator defendeu a “antecipação terapêutica do parto”, o que considera diferente do aborto, pois a Constituição só autoriza em caso de estupro e riscos à saúde da grávida.
 A ministra Rosa Weber também acompanhou o voto de Marco Aurélio Mello, alegando a defesa do direito reprodutivo feminino. “Não está em jogo o direito do feto, mas da gestante. A proibição da antecipação do parto fere a liberdade de escolha da gestante que se encontra na situação de carregar o feto anencéfalo em seu ventre”.
Após Weber, Joaquim Barbosa também se posicionou favoravelmente à interrupção da gravidez nessas situações. Luiz Fux, o quarto voto a favor da ação, alegou que é injustiça condenar uma mulher à prisão por ela optar pelo fim da gravidez de um feto sem chance de sobreviver fora do útero. Com exceção das situações previstas em lei, a gestante que fizer um aborto pode ser condenada de um a três anos de prisão, e o médico, de um a quatro.
“É justo colocar essa mulher no banco do júri como se fosse a praticante de um delito contra a vida? Por que punir essa mulher que já padece de uma tragédia humana?”, indagou Fux.
Em seguida, a ministra Cármen Lúcia acompanhou os colegas. “A mulher que não pode interromper essa gravidez tem medo do que pode acontecer – o medo físico, psíquico e de vir a ser punida penalmente”, alegou.
Último a votar na sessão desta quarta-feira, Ricardo Lewandowski manifestou-se contrário. Segundo ele, permitir o aborto de um anencéfalo pode criar brecha para “a interrupção da gestação de inúmeros outros embriões que sofrem ou venham a sofrer outras doenças, genéticas ou adquiridas, as quais, de algum modo, levem ao encurtamento de sua vida intra ou extrauterina”.
Na sessão de ontem, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, esclareceu que caso a ação seja aprovada, ela não será uma obrigação para as mulheres. Aquelas que desejarem seguir com o parto estão resguardadas. “Não está se afirmando que a mulher deve [interromper a gravidez]”, destacou.
O advogado Luiz Roberto Barroso, que representa a CNTS, sustentou que “a criminalização da interrupção da gestação quando o feto não é viável viola os direitos das mulheres”. Advogados contrários à aprovação da medida também apresentarão suas posições.
Do lado de fora do STF, grupos religiosos contrários à legalização do aborto de anencéfalos fizeram uma vigília e orações pela não aprovação da medida.



Fonte: Agência Brasil e G1

terça-feira, 10 de abril de 2012

STF decide sobre aborto de anencéfalos; Pr. Silas Malafaia comenta

Após oito anos analisando a polêmica ação que pede a descriminalização do aborto de anencéfalos, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgará a importantíssima questão nesta quarta-feira (11). Apesar de uma série de audiências públicas realizadas entre entidades religiosas e médicas, a ação continua dividindo opiniões. Assim, o pastor Silas Malafaia comenta a questão:


Há alguns anos atrás, ouvi um ministro do STF, que não me recordo o nome, dizer a seguinte frase: “Todo ser humano nasce para morrer, pode ser no momento em que a mãe dá a luz, ou na idade adulta, mas nenhum ser humano tem a autoridade de determinar sobre a hora, e o momento em que o outro semelhante deve morrer”.
Se na época do nazismo, Hitler queria fazer depuração da raça, esta é a moderna depuração dos nossos tempos. Aborto de anencéfalos, daqui a pouco aborto para quem tem síndrome de down, depois qualquer bebê na barriga da mãe que tenha qualquer deficiência. A vida é um dom de Deus, está na sua autoridade dá-la e tomá-la. Por favor, envie e-mails aos ministros do STF até quarta-feira (11) pela manhã, dizendo: “Sr. Ministro, diga não ao aborto, e sim à vida”.

1- GABINETE MINISTRO CEZAR PELUZO (Presidente)

2- GABINETE MINISTRO AYRES BRITTO (Vice-Presidente)

3- GABINETE MINISTRO CELSO DE MELLO

4- GABINETE MINISTRO MARCO AURÉLIO

5- GABINETE MINISTRO GILMAR MENDES

6- GABINETE MINISTRO JOAQUIM BARBOSA

7- GABINETE MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI

8- GABINETE MINISTRA CÁRMEN LÚCIA

9- GABINETE MINISTRO DIAS TOFFOLI

10- GABINETE MINISTRO LUIZ FUX

11- GABINETE MINISTRA ROSA WEBER

“Multiplique está notícia, vamos livrar o Brasil desta praga do inferno que é o aborto”, conclui Malafaia.

Fonte: Verdade Gospel

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Páscoa de verdade não tem ovo!



Sei que as crianças e até a maioria dos adultos, bem como toda a classe de comerciantes adoram a idéia de páscoa com ovos de chocolate e todos os outros adereços, para todos os gostos, que se fizerem necessários. É uma data de fantasias, guloseimas e brincadeiras... Sinto em informar, mas o real significado da páscoa em nada tem a ver com ovos de chocolate, menos ainda com coelhinhos fofinhos.
 A páscoa é uma das festas mais importantes para o povo judeu, como também para os cristãos, por todo o significado que existe nessa lembrança. Para os judeus é a comemoração da saída do Egito, da libertação da escravidão provida por Deus, que através de Moisés mandou dez pragas para aquele país afim de convencer o faraó a libertar o povo do Senhor, como ele se mostrou irredutível a décima praga mandada por Deus foi a morte de todos os primogênitos! A orientação para o povo israelita foi que matassem cordeiros, sem defeito ou mancha, e como sinal de salvação da morte espargissem o sangue desse cordeiro nos umbrais das portas das casas, afim de que quando o anjo enviado pelo Senhor para ferir os primogênitos passasse, vendo o sangue na porta, não entraria, nem feriria o primogênito da casa.
 Para os cristãos o significado é mais amplo! Páscoa para nós é a passagem de Cristo, da morte para a vida, portanto a comemoração da ressurreição de Cristo. Uma vez que todos nós, pelos nossos pecados, estávamos condenados à morte, e morte eterna, foi nos oferecida a salvação por intermédio da morte do cordeiro de Deus, sem mácula ou defeito algum, Jesus, o único filho de Deus, sacrificou-se por nós e através de seu precioso sangue, obtivemos salvação da morte eterna. E agora justificados pela fé em Cristo fomos reconciliados com Deus.
Bendita seja a Cruz de Cristo!

Magno Malta e Lindbergh defendem Pr. Silas Malafaia da perseguição do movimento gay


Os senadores Magno Malta e Lindbergh Farias saíram em defesa do pastor Silas Malafaia em plenário nesta terça-feira (03). Boa parte do pronunciamento de Malta na tribuna do senado foi dedicada ao que chamou de “campanha contra o pastor Silas Malafaia”, que vem sendo perseguido pela militância gay.
O pastor está sendo processado por se manifestar contra os organizadores da 15ª Parada do Orgulho Gay de São Paulo, que levaram figuras de santos católicos em posições sensuais para a Avenida Paulista, em junho de 2011, ridicularizando símbolos da igreja.
Em seu programa de TV, Malafaia teria aconselhado os católicos a tomarem providências com rigor, utilizando as expressões “baixar o porrete” e “entrar de pau” nos participantes e organizadores, termo popularmente utilizado com a conotação de “tomar medidas enérgicas” e “se posicionar com firmeza”, mas que foi propositalmente distorcido de seu contexto para tentar incriminá-lo.



Pr. Silas Malafaia comenta:
Para que ninguém tenha dúvida do sentido que falei, assista ao vídeo.
Mais uma vez fica provado que quem está promovendo perseguição não são os evangélicos. Também não são os homossexuais. É importante dizer e separar os ativistas gays do restante dos homossexuais. Estes sim, querem me calar! Mas em nome de Jesus já estão derrotados e confundidos.
Para vocês terem uma ideia da falta de coerência desses ativistas, o senador Lindbergh Farias, do PT, está sendo terrivelmente pressionado por eles (ativistas gays) e por parte do PT, porque, como você verá no vídeo abaixo, de maneira sensata e justa ele me defendeu.
Peço a todos, por favor, que enviem e-mails para o senador Lindbergh Farias se solidarizando com ele por sua postura: lindbergh.farias@senador.gov.br


Assista ao pronunciamento dos senadores em defesa do Pr. Silas:



Fonte: Verdade Gospel

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Professora Roseli Tadeu X religião afro-brasileira

Culto de candomblé na Praia Grande - SP


Por Eliseu Antonio Gomes

A religião de origem africana

Perto de onde moro existe uma agência bancária. O gerente dela tem um problema peculiar e bastante comum nos centros urbanos. No período da noite, de quase todas as sextas-feiras, seguidores de religião afro-brasileira depositam pratos de comida nas áreas externas, no lado que fica próximo de uma encruzilhada de ruas, no gramado de um jardim da instituição. A prática é o famoso despacho, mais comumente conhecido como macumba.

O gerente do banco tomou uma atitude diplomática para resolver esta situação. Contratou uma empresa de paisagismo e pediu que plantasse, por toda a área em que os “macumbeiros” acostumaram-se a usar, algumas plantas espinhosas. Então, há seis meses, na medida em que a nova vegetação cresce e ganha formas pelas mãos e tesoura do paisagista, a agência bancária ganha vista mais apreciável aos que passam diante dela e na mesma proporção as oferendas religiosas pararam de ser postas naquele local. Obviedade: espinhos arranham e ninguém gosta de ser arranhado.

Alguns moradores da rua se sentiam indignados com a prática religiosa. Não é questão de preconceito religioso, a rejeição tem critério muitíssimo importante, é de autodefesa e defesa da sociedade. Os pratos de comida expostos assim, ao céu noturno e aberto, provocam a infestação de ratos. Todos nós sabemos que os roedores são responsáveis pela proliferação de doenças. Eles transmitem hantavirose, raiva, tifo murino, leptospirose, peste bubônica, sarnas e micoses. Algumas dessas moléstias são mortais.

A professora

É dito que no Japão, a figura do imperador recebe reverência de todas as pessoas da sociedade, mas ele se curva apenas para um segmento dessa sociedade, os professores. Isso demonstra inteligência, porque os educadores difundem conhecimento.

Dias atrás, a partir do Diário do Grande ABC a mídia secular, com repercussão em blogs cristãos, trouxe um caso pitoresco ocorrido na Escola Estadual Antônio Caputo, situada no bairro Riacho Grande em São Bernardo do Campo. Um adolescente de quinze anos, cuja família é praticante do candomblé, o pai Sebastião da Silveira, 64, é sacerdote de cultos afros, acusa Roseli Tadeu Tavares de Santana, professora de História, de ser responsável pelo bullying que ele sofre por parte dos colegas. Segundo o rapaz, as zombarias aconteceram porque ela ora em sala de aula e incentiva os alunos a orarem também, manifestando assim a fé cristã. O pai processa o Estado de São Paulo por discriminação religiosa.

Ora, será que o garoto não é agente provocador do bullying, não teria ofendido a religião cristã no ambiente escolar em algum momento? Ele vai à escola vestido de branco, porta colares extravagantes no peito? Nós sabemos que a fase da adolescência é efusiva.

Líderes da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) compareceram na escola, reuniram-se com a diretoria e a professora. Deixaram seu departamento jurídico à disposição para auxiliar Roseli. A Apeoesp e a Diretoria Regional do Ensino de São Bernardo concedem apoio afirmando que religião faz parte do ensino de História.

A Secretaria Estadual da Educação frisa que não fará comentários sobre o assunto até a conclusão da investigação. O prazo da apuração é de um mês, prorrogáveis por mais 30 dias.

Roseli é moradora do bairro onde situa a unidade escolar em que trabalha há aproximadamente cinco anos Como educadora ela recebe elogios pela maioria dos estudantes, e também tem declarações favoráveis de colegas de profissão. Ela mantém atividades extracurriculares de combate ao uso de drogas.

Conclusão

A professora Roseli Tadeu continua a dar aulas na Escola Estadual Antônio Caputo e o aluno continua suas atividades de aluno naquele recinto. O Ministério Público abriu uma investigação para apurar as responsabilidades da professora e da direção da escola. O promotor Jairo de Lucca informou que, dependendo da providência que a Secretaria da Educação seguir, abrirá um inquérito contra Roseli. Em sua única manifestação à imprensa, a educadora disse por telefone que não reconhece ter cometido erro.

Não convém culpar sumariamente a educadora pelo caso do bullying. Tal ação parece ser orquestrada, uma estratégia mascarada para fazer os cristãos se retraírem.

A vigilância sanitária deve prestar atenção na situação de distribuição de oferendas em forma de pratos com alimentos nas grandes metrópoles e até em áreas rurais. Os legisladores precisam se debruçar sobre essas práticas religiosas e definir regras com vista ao bem dos cidadãos brasileiros.

Gente, laicidade não é o Estado ter postura contra a religião. É estar completamente neutro. Portanto, a queixa contra a professora Roseli não tem fundamento e com certeza a família do garoto não se beneficiará financeiramente com este caso.

E.A.G.
 

Médico cristão é demitido por enviar e-mails com orações para colegas


O médico David Drew acabou demitido



Uma série de e-mails religiosos enviados a colegas de profissão causou a demissão do médico David Drew, do Walsall Manor Hospital, na Inglaterra. Segundo o Daily Mail, os diretores do hospital consideraram a conduta inapropriada. Revoltado com a atitude, o médico denunciou o caso na última terça-feira, dia 27 de março, à Justiça local.
Além dos e-mails que David alega ter enviado após casos marcantes, o inglês também mandou mensagens de Feliz Natal para alguns amigos que trabalham no hospital. “Minha mensagem era: ‘Tenham um Natal de paz’. A alegação foi de que estava forçando a minha religião a outras pessoas, de que sou um maníaco religioso. Se eles achavam isso, acredito que deveriam ter falado comigo antes. Não sabia que este e-mail poderia me causar tantas dificuldades e acabar na minha demissão”, lamentou.
A “gota d’água” da situação aconteceu quando o médico teria sido recomendado a “não utilizar linguagem religiosa em comunicações verbais ou escritas”. Ele admitiu ter enviado uma oração para alguns colegas, para tentar motivar o departamento.


Fonte: G1

terça-feira, 3 de abril de 2012

Nova contratação da Salluz Produtions: Para Nossa Alegria


Aconteceu, pegou, espalhou, virou jargão: “Para nossa alegria”. Tudo começou com um vídeo caseiro postado em um canal do youtube e que arrancou gargalhadas pelo mundo à fora e correu pelas redes sociais numa velocidade absurda. “Para nossa alegria”, título da versão para a tradicional canção gospel “Galhos Secos” (Osny e Osvayr Agreste) interpretada pelos irmãos Jefferson e Suellen Barbosa de uma forma pra lá de engraçada e que virou fenômeno da internet, acumulando a um total de mais de 30 milhões de visualizações em menos de 15 dias. O vídeo atraiu Celebridades como Jair Rodrigues, Luciana Mello, Jair de Oliveira, Marcelo Adnet, Fernanda Takai e Thiaguinho, que fizeram as suas próprias versões do vídeo inspirados na dupla. Além deles, o ex-jogador Neto, o apresentador Ratinho, Marcos Mion, Ana Maria Braga e Programa Pânico na Band, também fizeram menções ao vídeo.
Senhoras e senhores. É com imenso prazer que a gravadora Salluz Productions anuncia sua nova contratação: A dupla “Para nossa alegria”. O CD dos irmãos Jefferson e Suellen já tem previsão de lançamento; Entre o fim de Maio e início de Junho e o grande público pode esperar um trabalho muito divertido com canções que irão alegrar os ouvintes de todas as idades e classes sociais. Aguardem!
Hoje, dia 03/04 a dupla “Para nossa alegria” esteve ao vivo na Rede Tv, no programa “Manhã Maior”. Em seguida gravarão uma participação no “Programa da Eliana”, no SBT, que deverá ir ao ar nas próximas semanas.

Assista ao vídeo aqui:




Contatos:
Tel.: (11) 2093-4122
Email: contato@nossaalegria.com.br
Site: www.portalsalluz.com.br

Fonte: www.portalsalluz.com.br

Cresce debate sobre presença da religião em ambientes públicos


Cresce debate sobre presença da religião na sociedade
(Foto: Reuters)

Entidades civis estão organizando manifestações públicas pelo estado laico em três capitais brasileiras, para reivindicar a liberdade de crença em instituições de ensino, como determina a Constituição Federal.
 No Rio de Janeiro o evento está marcado para 10 de abril, em São Paulo para o dia 14 de abril e na última quinta-feira (22), Porto Alegre já presenciou um ato público que levantou a discussão do tema.
Os debates vêm sendo suscitados pois muitos casos vieram à tona nas últimas semanas sobre a fé em ambientes públicos.
No Rio Grande do Sul, o Tribunal de Justiça do Estado determinou a retirada de símbolos religiosos dos espaços públicos, em decisão favorável a uma ação requerida pela Liga Brasileira de Lésbicas e outras entidades sociais.
Por outro lado, as escolas do município de Ilhés (BA), têm que cumprir o que diz um Projeto de Lei que exige que o Pai Nosso seja rezado antes das aulas nas escolas da rede municipal. O ministério Público já está investigando a validade dessa lei.
Um dos casos mais rumorosos ocorreu em uma escola estadual em São Bernardo do Campo (SP), em que um aluno passou a sofrer constrangimento por parte dos colegas depois que se recusou a assistir a aula de uma professora que lia a Bíblia e pregava nos 20 minutos iniciais das aulas.
 O aluno era praticante do candomblé, religião afro-brasileira. Seu pai contou que tentou conversar com a professora, mas não foi bem recebido. Ele decidiu então, fazer um boletim de ocorrência sobre o caso na polícia.
Em Brasília, o Supremo Tribunal Federal (STF) está analisando argumentos de entidades ligadas aos direitos humanos que alegam a inconstitucionalidade do ensino religioso confecional.
Essa modalidade de instrução garante espaço privilegiado a determinadas religiões em instituições de ensino, de acordo com preferências dos alunos ou pais. As entidades temem que o espaço público sirva a pregações religiosas, de acordo com a revista IstoÉ.
O debate sobre a laicidade do estado já teve outros capítulos. Em fevereiro, um procurador interpelou o Banco Central para que fosse retirada a expressão “Deus Seja Louvado” das cédulas de real.
A resposta do BC foi de que também a Constituição foi promulgada sob a “proteção de Deus” e que “a República Federativa do Brasil não é anti-religiosa ou anti-clerical, sendo-lhe vedada apenas a associação a uma específica doutrina religiosa”.
Na época o deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) lembrou que o estado brasileiro é laico e não ateu. “Em todas as religiões o termo Deus remete a uma divindade, ou seja, não fere religião alguma. Que mal provoca a frase?”, questionou.
Enquanto a sociedade aguarda a decisão da justiça sobre a presença da religião em diversos setores da sociedade, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, advertiu que “é necessário vigiar para que a laicidade do Estado seja mantida se não quisermos que heresia volte a ser crime.”

Fonte: The Christian Post

Deputado federal Tiririca agora dá uma de pastor evangélico

 

Segundo o jornalista Lauro Jardim, em sua coluna Radar on-line na Veja, o gabinete de Tiririca foi cenário de um episódio inusitado na semana passada em Brasília (DF).
O deputado federal Tiririca foi procurado por uma senhorinha aflita, que se dizia perseguida por inimigos imaginários. Diante da aflição da mulher, Tiririca formou uma roda com dois assessores, colocou a mão na cabeça da mulher e disse: ”Eu vou orar para eles pararem de perseguir a senhora”.
Impostando a voz como se fosse um pastor, Tiririca passou a gritar: “Sai, sai, sai desse corpo…”. Tiririca jura que a mulher saiu tranquilona do gabinete.

Eu (Felipe Henrique) digo: PALHAÇADA!!

Fonte: Veja

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Parabéns meu amor!




Hoje, 03 de Abril de 2012, minha namorada faz 22 anos. A Jocasta é um presente de Deus na minha vida, uma pessoa em que eu encontrei guarida, carinho, companheirismo, amizade e amor. Eu a conheci num culto em minha igreja, nem sabia quem ela era, mas seu sorriso de longe já havia me encantado. Fomos apresentados e logo nos tornamos amigos, só que depois daquele dia passei um longo tempo sem a ver. Nos reencontramos novamente na mesma igreja, e partir dai começamos a estreitar a nossa relação, logo percebi que se tratava de uma pessoa muito especial, devido sua seriedade com as coisas de Deus, sua dedicação na igreja, seu lindo ministério, seu ilibado caráter... Não resisti e a pedi em namoro, desde então tornei-me uma pessoa completa, feliz, realizada! A Jocasta, para mim, é a prova de que Deus realmente responde nossas orações, digo isso, por que ela é justamente como eu pedi a Deus. Lembro-me que na minha simplicidade de adolescente eu pedi ao Senhor uma moça séria, companheira, boa filha, esforçada, que fizesse parte do meu ministério e linda... recordo que no final da oração, como quase quem ia esquecendo, eu exclamei: Ah, Senhor se ela puder ser cantora eu vou ficar muito feliz! cheguei a comentar com alguns amigos na época sobre a minha oração, a na maioria das vezes ouvi que tinha pedido demais, que esperava uma moça perfeita, mas eu cria! O tempo passou, e hoje posso dizer que Deus me agraciou, ela é justamente como eu pedi ao Senhor.
 Quero que saiba amor, que eu te amo muito, a cada dia mais, por todo o seu carinho e cuidado comigo, por nunca ter me negado uma bronca, um conselho, um sorriso ou quem sabe apenas o ouvido nos meus piores momentos, você a cada dia que se passa se mostra a mulher descrita por Salomão em Provérbios 31: 10 "Mulher virtuosa, quem a achará? o seu valor muito excede ao de rubis!" e por conta disso sei que por toda a vida, estando ao seu lado, serei feliz!
  Em Provérbios 18:22 diz: "Aquele que encontra uma mulher, acha o bem, e alcança benevolência do Senhor." Com base nisso posso afirmar: o aniversário é seu, mas o presente quem ganhou foi eu! eu te amo.
  Parabéns meu amor!


quele que encontra uma esposa, acha o bem, e alcança a benevolência do SENHOR.
Provérbios 18:22
quele que encontra uma esposa, acha o bem, e alcança a benevolência do SENHOR.
Provérbios 18:22

Ricardo Gondim rompe com o “Movimento Evangélico”

 

O pastor Ricardo Gondim, da Igreja Betesda, anunciou em seu site, através de um artigo, que está rompendo com o Movimento Evangélico.

Narrando suas experiências religiosas desde adolescência, quando abandonou o catolicismo inquieto pelo que chamou de “dogmas” da igreja romana, o pastor falou sobre o que o fez romper com a Igreja Presbiteriana e com a Assembleia de Deus, exemplificando cada caso.

Agora, se dizendo sem saber para onde ir, afirma que está querendo “apenas experimentar a liberdade prometida nos Evangelhos” e que não abandonará sua vocação de pastor e continuará servindo na Betesda.

Os motivos listados por Gondim em seu artigo reclamam da transformação do evangelho em negócio, e se diz “incapaz de tolerar” a transformação da fé em negócio. “Não posso aceitar, passivamente, que tentem converter os cristãos em consumidores e a igreja, em balcão de serviços religiosos. Entendo que o movimento evangélico nacional se apequenou. Não consegue vencer a tentação de lucrar como empresa. Recuso-me a continuar esmurrando as pontas de facas de uma religião que se molda à Babilônia”, acusa o pastor.

A falta de afinidade com os grandes líderes evangélicos nacionais também é colocada como uma questão de peso e decisiva para o rompimento: “Não consigo admirar a enorme maioria dos formadores de opinião do movimento evangélico (principalmente os que se valem da mídia). Conheço muitos de fora dos palcos e dos púlpitos. Sei de histórias horrorosas, presenciei fatos inenarráveis e testemunhei decisões execráveis”, afirma o pastor, sem citar nomes.

Em mais uma crítica direta à teologia da prosperidade, que tem sido priorizada em diversas denominações, o pastor Gondim afirma que a igreja se tornou inútil ao pregar essa mensagem: “No momento em que o sal perde o sabor para nada presta senão para ser jogado fora e pisado pelos homens. Não desejo me sentir parte de uma igreja que perde credibilidade por priorizar a mensagem que promete prosperidade. Como conviver com uma religião que busca especializar-se na mecânica das “preces poderosas”? O que dizer de homens e mulheres que ensinam a virtude como degrau para o sucesso? Não suporto conviver em ambientes onde se geram culpa e paranoia como pretexto de ajudar as pessoas a reconhecerem a necessidade de Deus”.

Um texto publicado pelo jornalista Paulo Lopes, atribuído a José Geraldo Gouvêa, ateu declarado, afirma que “Gondim não tem para onde ir, a não ser os braços do ateísmo”. O autor do texto afirma se identificar com o pastor, “uma espécie de Leonardo Boff evangélico”, fazendo menção ao ex-frei e crítico ferrenho da Igreja Católica.


Confira abaixo a íntegra do artigo “Tempo de Partir”, do pastor Ricardo Gondim:

Não perdi o juízo. Minha espiritualidade não foi a pique. Minhas muitas tarefas não me esgotaram. Entretanto, não cessam os rótulos e os diagnósticos sobre minha saúde espiritual. Escrevo, mas parece que as minhas palavras chegam a ouvidos displicentes. Para alguns pareço vago, para outros, fragmentado e inconsistente nas colocações (talvez seja mesmo). Várias pessoas avisam que intercedem a Deus para que Ele me acuda.

Minha peregrinação cristã está, há muito, marcada por rompimentos. O primeiro, rachei com a Igreja Católica, onde nasci, fui batizado e fiz a Primeira Comunhão. Em premonitórias inquietações não aceitava dogmas. Pedi explicações a um padre sobre certas práticas que não faziam muito sentido para mim. O sacerdote simplesmente deu as costas, mas antes advertiu: “Meu filho, afaste-se dos protestantes, eles são um problema!”.

Depois de ler a Bíblia, decidi sair do catolicismo; um escândalo para uma família que se orgulhava de ter padres e freiras na árvore genealógica – e nenhum “crente”. Aportei na Igreja Presbiteriana Central de Fortaleza. Meus únicos amigos crentes vinham dessa denominação. Enfronhei em muitas atividades. Membro ativo, freqüentei a escola dominical, trabalhei com outros jovens na impressão de boletins, organizei retiros e acampamentos. No cúmulo da vontade de servir, tentei até cantar no coral – um desastre. Liderei a União de Mocidade. Enfim, fiz tudo o que pude dentro daquela estrutura. Fui calvinista. Acreditei por muito tempo que Deus, ao criar todas as coisas, ordenou que o universo inteiro se movesse de acordo com sua presciência e soberania. Aceitei tacitamente que certas pessoas vão para o céu e para o inferno devido a uma eleição. Essa doutrina fazia sentido para mim até porque eu me via um dos eleitos. Eu estava numa situação bem confortável. E podia descansar: a salvação da minha alma estava desde sempre garantida. Mesmo que caísse na gandaia, no último dia, de um jeito ou de outro, a graça me resgataria. O propósito de Deus para minha vida nunca seria frustrado, me garantiram.

Em determinada noite, fui a um culto pentecostal. O Espírito Santo me visitou com ternura. Em êxtase, imerso no amor de Deus, falei em línguas estranhas – um escândalo na comunidade reverente e bem comportada. Sob o impacto daquele batismo, fui intimado a comparecer à versão moderna da Inquisição. Numa minúscula sala, pastores e presbíteros exigiram que eu negasse a experiência sob pena de ser estigmatizado como reles pentecostal. Ameaçaram. Eu sofreria o primeiro processo de expulsão, excomunhão, daquela igreja desde que se estabelecera no século XIX. Ainda adolescente e debaixo do escrutínio opressivo de uma gerontocracia inclemente, ouvi o xeque mate: “Peça para sair, evite o trauma de um julgamento sumário. Poupe-nos de sermos transformados em carrascos”. Às duas da madrugada, capitulei. Solicitei, por carta, a saída. A partir daquele momento, deixei de ser presbiteriano.

De novo estava no exílio. Meu melhor amigo, presidente da Aliança Bíblica Universitária, pertencia a Assembleia de Deus e para lá fui. Era mais um êxodo em busca de abrigo. Eu só queria uma comunidade onde pudesse viver a fé. Cedo vi que a Assembleia de Deus estava engessada. Sobravam legalismo, politicagem interna e ânsia de poder temporal. Não custou e notei a instituição acorrentada por uma tradição farisaica. Pior, iludia-se com sua grandeza numérica. Já pastor da Betesda eu me tornava, de novo, um estorvo. Os processos que mantinham o povo preso ao espírito de boiada me agrediam. Enquanto denunciava o anacronismo assembleiano eu me indispunha. A estrutura amordaçava e eu me via inibido em meu senso crítico. A geração de pastores que ascendia se contentava em ficar quieta. Balançava a cabeça em aprovação aos desmandos dos encastelados no poder. Mais uma vez, eu me encontrava numa sinuca. De novo, precisei romper. Eu estava de saída da maior denominação pentecostal do Brasil. Mas, pela primeira vez, eu me sentia protegido. A querida Betesda me acompanhou.

Agora sinto necessidade de distanciar-me do Movimento Evangélico. Não tenho medo. Depois de tantas rupturas mantenho o coração sóbrio. As decepções não foram suficientes para azedar a minha alma, sequer fortes para roubar a minha fé. “Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso”.

Estou crescentemente empolgado com as verdades bíblicas que revelam Jesus de Nazaré. Aumenta a minha vontade de caminhar ao lado de gente humana que ama o próximo. Sinto-me estranhamente atraído à beleza da vida. Não cesso de procurar mentores. Estou aberto a amigos que me inspirem a alma.

Então por que uma ruptura radical? Meus movimentos visam preservar a minha alma da intolerância. Saio para não tornar-me um casmurro rabugento. Não desejo acabar um crítico que nunca celebra e jamais se encaixa onde a vida pulsa. Não me considero dono da verdade. Não carrego a palmatória do mundo. Cresce em mim a consciência de que sou imperfeito. Luto para não permitir que covardia me afaste do confronto de meus paradoxos. Não nego: sou incapaz de viver tudo o que prego – a mensagem que anuncio é muito mais excelente do que eu. A igreja que pastoreio tem enormes dificuldades. Contudo, insisto com a necessidade de rescindir com o que comumente se conhece como Movimento Evangélico.

1. Vejo-me incapaz de tolerar que o Evangelho se transforme em negócio e o nome de Deus vire marca que vende bem. Não posso aceitar, passivamente, que tentem converter os cristãos em consumidores e a igreja, em balcão de serviços religiosos. Entendo que o movimento evangélico nacional se apequenou. Não consegue vencer a tentação de lucrar como empresa. Recuso-me a continuar esmurrando as pontas de facas de uma religião que se molda à Babilônia.

2. Não consigo admirar a enorme maioria dos formadores de opinião do movimento evangélico (principalmente os que se valem da mídia). Conheço muitos de fora dos palcos e dos púlpitos. Sei de histórias horrorosas, presenciei fatos inenarráveis e testemunhei decisões execráveis. Sei que muitas eleições nas altas cupulas denominacionais acontecem com casuísmos eleitoreiros imorais. Estive na eleição para presidente de uma enorme denominação. Vi dois zeladores do Centro de Convenções aliciados com dinheiro. Os dois receberam crachá e votaram como pastores. Já ajudei em “cruzadas” evangelísticas cujo objetivo se restringiu filmar a multidão, exibir nos Estados Unidos e levantar dinheiro. O fim último era sustentar o evangelista no luxo nababesco. Sou testemunha ocular de pastores que depois de orar por gente sofrida e miserável debocharam delas, às gargalhadas. Horrorizei-me com o programa da CNN em que algumas das maiores lideranças do mundo evangélico americano apoiaram a guerra do Iraque. Naquela noite revirei na cama sem dormir. Parecia impossível acreditar que homens de Deus colocam a mão no fogo por uma política beligerante e mentirosa de bombardear outro país. Como um movimento, que se pretende portador das Boas Novas, sustenta uma guerra satânica, apoiada pela indústria do petróleo.

3. No momento em que o sal perde o sabor para nada presta senão para ser jogado fora e pisado pelos homens. Não desejo me sentir parte de uma igreja que perde credibilidade por priorizar a mensagem que promete prosperidade. Como conviver com uma religião que busca especializar-se na mecânica das “preces poderosas”? O que dizer de homens e mulheres que ensinam a virtude como degrau para o sucesso? Não suporto conviver em ambientes onde se geram culpa e paranoia como pretexto de ajudar as pessoas a reconhecerem a necessidade de Deus.

4. Não consigo identificar-me com o determinismo teológico que impera na maioria das igrejas evangélicas. Há um fatalismo disfarçado que enxerga cada mínimo detalhe da existência como parte da providência. Repenso as categorias teológicas que me serviam de óculos para a leitura da Bíblia. Entendo que essa mudança de lente se tornou ameaçadora. Eu, porém, preciso de lateralidade. Quero dialogar com as ciências sociais. Preciso variar meus ângulos de percepção. Não gosto de cabrestos. Patrulhamento e cenho franzido me irritam . Senti na carne a intolerância e como o ódio está atrelado ao conformismo teológico. Preciso me manter aberto à companhia de gente que molda a vida, consciente ou inconsciente, pelos valores do Reino de Deus sem medo de pensar, sonhar, sentir, rir e chorar. Desejo desfrutar (curtir) uma espiritualidade sem a canga pesada do legalismo, sem o hermético fundamentalismo, sem os dogmas estreitos dos saudosistas e sem a estupidez dos que não dialogam sem rotular.

Não, não abandonarei a vocação de pastor. Não negligenciarei a comunidade onde sirvo. Quero apenas experimentar a liberdade prometida nos Evangelhos. Posso ainda não saber para onde vou, mas estou certo dos caminhos por onde não devo seguir.

Soli Deo Gloria


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2012/02/ricardo-gondim-rompe-com-o-movimento.html#ixzz1quDxmsWT
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...